Jacto

 

 O caroço de algodão está sendo, cada vez, mais utilizado nas dietas de vacas leiteiras. Embora não seja um produto produzido na região sul é facilmente encontrado, possibilitando o fornecimento constante para os animais.

   O caroço de algodão pode substituir uma fração, tanto do concentrado quanto do volumoso. A efetividade de FDN do línter (parte branca que envolve o caroço) é equivalente a efetividade do feno de alfafa, sendo uma fonte de fibra adequada para manter o percentual de gordura do leite.

   É indicado em dietas que apresentam deficiência em fibra efetiva, pouca proteína, baixo teor energético e em substituição CNF (Carboidrato não fibroso) por EE (Extrato Etéreo). Quando o caroço de algodão é usado em dietas substituindo outras fontes de grão, ocorre a diminuição da quantidade de carboidratos fermentados no rúmen, isso faz com que o risco de acidose e estresse térmico diminuam.

   O caroço de algodão é um produto fornecido aos animais na forma natural, não sofre nenhum tipo de processamento. Quanto a moagem do caroço de algodão, se este ainda possuir línter poderá perder efetividade de fibra. Já quando triturado sem o línter o valor energético aumentará.

   Para seu fornecimento pode-se misturar na ração, silagem ou em dieta total. É um produto facilmente consumido pelas vacas em lactação, porém quando misturado a outros ingredientes, facilitando sua ingestão pela forma física.

   A utilização do caroço de algodão nas dietas das vacas em lactação apresenta uma série de vantagens, pois além de ser uma fonte de fibra, energia e proteína, o caroço pode aumentar a gordura do leite. Vários fatores contribuem para esse efeito, mas principalmente pela digestão da celulose do línter, aumentando a concentração de ácido acético utilizado na síntese de gordura do leite.

   Na dieta de vacas leiteiras a inclusão é de 2 a 3 Kg de MS/vaca/dia, pois um fator limitante é o alto teor de gordura, que gira em torno de 18 a 20% da MS (matéria seca). Como não é recomendado fornecer mais que 700g/vaca/dia de óleo de origem vegetal, ou na dieta total nunca ultrapassar de 5% de EE, sua inclusão fica limitada.

   Além do óleo vegetal, que é um fator limitante da inclusão, o caroço de algodão possui um fator anti-nutricional que é o gossipol, porém quando ingerido em pequenas quantidades não causa problema algum. Em contrapartida, se for utilizado grande quantidade e por tempo prolongado, pode causar lesões cardíacas e hepáticas, principalmente em animais jovens, por isso seu fornecimento não é recomendado para bezerros e outras categorias em crescimento até atingir a idade reprodutiva. Também não é recomendado o fornecimento para machos reprodutores.

   O caroço de algodão é indicado para fêmeas adultas e machos em fase de terminação para abate. Como já citado acima, é um produto que traz vários benefícios para vacas, pois é um melhorador dos níveis nutricionais da dieta e exerce um papel de fibra efetiva. Não é recomendado a substituição do feno por caroço de algodão, mas em dietas que não existe a possibilidade do fornecimento de feno, o caroço de pode desempenhar este papel.

   O caroço de algodão está sendo muito utilizado em dietas na pecuária leiteira e essa prática vai continuar, tendo em vista as vantagens que esse produto apresenta quando utilizado corretamente.

 Jones Fernando Gay - Médico Veterinário/Nutrição de Ruminantes


Este conteúdo é de uso exclusivo, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem a prévia autorização do mesmo.




Deixe seu comentário

Matsuda
Safeeds

Facebook

Biotrigo
Oro Agri
Vencofarma
Dispec
Cresol
Bonetti Agronutri
Calpar
Agral