Jacto

Já faz algum tempo que ouvimos e/ou lemos sobre o termo “Agricultura de Precisão”. Você pode achar estranho um artigo de pecuária começar falando sobre agricultura. Mas esta é nossa inspiração! Hoje em dia, a maioria dos agricultores sabe precisamente todos os processos mais importantes da sua atividade e da cultura com que trabalha. Ele sabe qual cultura se desenvolve melhor na sua região, o melhor período do ano para plantar e colher, calcula o quanto precisa colher para não ter prejuízo. Ou seja, o agricultor faz a gestão do seu negócio e a pecuária está indo para o mesmo caminho, pois os pecuaristas já possuem tecnologia para obter todas essas informações.

Uma das tecnologias que mais pode ajudar o pecuarista a ter uma pecuária de precisão é a Inseminação Artificial em Tempo Fixo, a famosa IATF. Com o correto uso da técnica podemos responder a três perguntas essenciais, principalmente para os pecuaristas que trabalham com a atividade de cria. São elas:

 

O QUE VOCÊ QUER PRODUZIR?

Este é o ponto de partida. O produtor precisa saber o que quer produzir. Várias raças de touros podem ser encontradas nas diversas centrais de inseminação artificial. Mas, antes de definir a raça é preciso ter em mente qual a melhor e mais adaptada, que potencialmente trará mais lucro. É necessário realizar uma análise de mercado. Feito isso, o pecuarista terá uma gama enorme de touros que podem atender suas necessidades. Por exemplo, o produtor que trabalha somente com Nelore pode escolher touros P.O. ou CEIP bem avaliados e melhoradores com as características mais adequadas ao seu rebanho.

Já os pecuaristas que trabalham com cruzamento industrial contam com diversos touros com ótimas avaliações e desempenho e de diversas raças, como Angus, Hereford, Charolês, Simental, entre outras que estão disponíveis em nosso mercado. Aqueles criadores que decidem reter as fêmeas oriundas do cruzamento industrial, geralmente a F1 Angus x Nelore, podem utilizar raças sintéticas como Brangus e Braford, gerando o bezerro tricross, que mantém um bom grau de sangue zebuíno (mais adaptado ao nosso clima), sem perder o potencial produtivo.

Nada impede também de o pecuarista utilizar duas ou mais raças em sua propriedade. É muito comum hoje em dia, nos primeiros lotes da IATF, a utilização de touros Nelore, principalmente para a produção de novilhas e posterior reposição das matrizes. Nos lotes de vacas que parem mais tarde e lotes de ressincronização, há a utilização de touros Angus para cruzamento industrial.

 

QUANDO VOCÊ QUER PRODUZIR?

Assim como na agricultura, temos que saber a melhor época de produzir nossos bezerros. Dados da ANCP (Associação Nacional dos Criadores e Pesquisadores) mostram que bezerros nascidos nos meses de agosto, setembro e outubro desmamam mais pesados. São os chamados ‘bezerros do cedo’. Sabendo disso, com o uso da IATF podemos programar o período ideal do início da estação de monta e inseminações. Um fator que não podemos esquecer é que este período de estação de monta pode variar conforme a região, principalmente devido à disponibilidade de forragem e das chuvas. O ideal é que a maioria das fêmeas do rebanho comece a parir antes do início da estação de monta para que uma boa parte delas já seja inseminada no início desse período.

Além do bezerro e da estação do ano, quando falamos em época para produzir temos que dar atenção especial às vacas paridas (multíparas e primíparas). Segundo dados do Prof. Roberto Sartori, da ESALQ/USP, somente 20-25% das multíparas e 15-18% das primíparas estão ciclando com 60 dias após o parto. Isso mostra que uma pecuária que busca um bezerro por ano, desmamado no melhor período e da raça mais apropriada, necessita da IATF, pois somente com essa técnica vacas que estão em anestro podem ser inseminadas no momento predeterminado.

 

QUANTO VOCÊ QUER PRODUZIR?

Este é o último ponto fundamental. Não adianta produzir o bezerro mais pesado, na idade certa, no melhor momento do ano se sua taxa de desmama é baixa. Atente-se bastante a este índice, pois ele é um bom indicador se seu sistema de produção está dando lucro. Fazendas que apresentam taxa de desmama abaixo de 65% têm grandes chances de estarem no prejuízo, ou seja, a margem bruta por bezerro é negativa. No entanto, fazendas que apresentam taxa de desmama acima de 67,5% geralmente já conseguem uma margem bruta por bezerro positiva e, conforme esta taxa aumenta, maior é a probabilidade de aumentar o lucro por bezerro desmamado. Fazendas com excelência na produção (80% ou mais na taxa de desmama) podem atingir lucro/hectare/ano semelhante ou maior do que atividades agrícolas. Deste modo, procure sempre alta taxa de concepção nos protocolos de IATF e elevada taxa de prenhez final na estação de monta, pois isto dará grandes chances de desmamar mais bezerros.

Estes são os pontos iniciais importantes que devemos sempre pensar para uma pecuária de maior precisão e lucrativa. A IATF pode trazer grandes benefícios à nossa pecuária. E não se esqueça, procure sempre um técnico capacitado para ajudá-lo na tomada das melhores decisões.  

Artigo publicado na edição de Julho de 2019 da Folha Agrícola

  Por Alexandre Barbieri Prata 

Doutor em Reprodução Animal (ESALQ/USP) e promotor técnico GlobalGen vet science


Este conteúdo é de uso exclusivo, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem a prévia autorização do mesmo.




Deixe seu comentário

Safeeds
INOBRAM
J Malucelli

Facebook

Oro Agri
Biotrigo
Real H
Cresol
Bonetti Agronutri