Jacto

Adotar medidas de manejo e construir um eficiente programa sanitário garantem o bem-estar dos bovinos e evita prejuízos ao produtor

No Brasil, o confinamento é conduzido durante o inverno, época seca do ano e período de escassez de forragem para pastejo. Também é quando ocorre a inversão térmica em diversas regiões do país, quando as noites são frias e os dias são quentes. Esse fenômeno causa muita poeira e pode ocasionar pneumonia bovina ou doença respiratória bovina (DRB), mas é possível evitá-las ao adotar medidas de manejo e sanitárias.

“O bem-estar dos animais deve ser priorizado em todo o sistema de criação bovina, portanto é fundamental ficar de olho nas principais enfermidades que acometem os bovinos confinados. Se não for possível evitar as doenças, um rápido diagnóstico, e seu tratamento, evitará prejuízos”, explica o médico-veterinário e gerente de Serviços Técnicos da Biogénesis Bagó, Reuel Luiz Gonçalvez.

Ele explica que, entre as medidas de manejo, está a adoção de aspersores de água, já que o controle da poeira em confinamentos com irrigação diminui sensivelmente a pneumonia bovina. “Com o sistema de irrigação, pode-se combater problemas primários, ou seja, aqueles que estão relacionados diretamente com os animais, tais como: estresse, redução no índice de conversão alimentar, menor aproveitamento em rendimento de carcaça, o uso de antibióticos (redução) e índices de pneumonia bovina no local”.

Também é possível eliminar problemas secundários classificados como de primeiro, segundo e terceiro graus, que estão relacionados às condições do ambiente. “Em primeiro grau, os colaboradores que trabalham no dia a dia do campo, na lida e no manejo dos animais. Em segundo grau, os moradores e trabalhadores dos arredores do confinamento que estão predispostos a maiores problemas respiratórios, gripes, resfriados, alergias etc. E, em terceiro grau, aqueles que são atingidos pelos problemas de forma não tão constante, como bairros vizinhos, colônias vizinhas e até usuários da malha rodoviária, dependendo da direção e incidência dos ventos e outros fenômenos”, complementa o médico-veterinário.

Construção do Programa Sanitário

Outra medida importante para prevenção de problemas é a adoção de um plano sanitário e de ferramentas para sua elaboração.

O processo de construção do programa sanitário que melhor se adeque à uma situação específica começa com uma análise do local onde os animais serão confinados. No momento da sondagem é preciso identificar pontos críticos de controle e alinhar expectativas com os decisores. São basicamente dados estruturais e da rotina dos animais. É importante que os dados sejam atualizados, pois a variação pode ocorrer com uma simples mudança climática ou mesmo de lotação.

Uma outra ferramenta importante é a matriz de risco sanitário, que definirá o tipo de programa de entrada mais adequado para cada lote de animais recebidos. Esta ferramenta permite que se estabeleçam metas de morbidade e mortalidade, definidas impreterivelmente pelo decisor.

O grau de risco sanitário pode ser alto, moderado ou baixo, dependendo da origem dos animais, distância percorrida, escore de condição corporal e quebra de peso do local de origem até o confinamento.

O médico-veterinário salienta ainda que após a análise de risco se atinge o programa sanitário estipulado para cada lote. Na maioria dos confinamentos, o programa para baixo desafio será basicamente composto pelo uso das vacinas (respiratórias, clostridias etc.) e uso de vermífugo à base de Fosfato de Levamisol concentrado, porém, para alto desafio, poderá ocorrer incremento nas vacinações (2 doses de vacinas respiratórias com intervalo de 21 dias) e variações no protocolo com o uso de metafilaxia.

“O confinamento do gado bovino certamente é um desafio para todos os pecuaristas. Ainda assim, ele pode trazer muitas vantagens em termos de produtividade e na prevenção da doença respiratória bovina no confinamento e, principalmente, nas inversões térmicas, que devem ser vistas com atenção”, finaliza Gonçalvez.

Sobre a Biogénesis Bagó

A Biogénesis Bagó, empresa líder nos principais mercados da América Latina, com projeção global, e comprometida com o desenvolvimento de soluções para a saúde e sustentabilidade da produção pecuária por meio da biotecnologia. A empresa desenvolve e comercializa produtos e serviços veterinários criados para garantir a saúde e melhorar a produtividade dos rebanhos bovinos de carne e leite. Conta com um portfólio de mais de 70 produtos e 650 registros em distintos países da América Latina, China e Ásia.

Com escritórios na Bolívia, Brasil, América Central, México, Uruguai e Ásia, sua sede está localizada na Argentina, com fábricas em Monte Grande e Garín (província de Buenos Aires). No Brasil, conta com uma planta fabril na cidade de Araçoiaba da Serra (SP).

A empresa é a maior provedora de vacinas antiaftosa do mundo, tanto que três em cada 10 vacinas antiaftosa aplicadas na América são produzidas pela Biogénesis Bagó. A capacidade anual de produção da empresa é de 400 milhões de doses de vacinas contra febre aftosa, 30 milhões de doses de vacina antirrábica e 100 milhões de doses de vacinas combinadas.

Em 2014, 2016, 2018 e 2020 foi nomeada pela revista inglesa Animal Pharm como a melhor empresa de saúde animal da América Latina.

 


Este conteúdo é de uso exclusivo, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem a prévia autorização do mesmo.




Deixe seu comentário

Lely
INOBRAM
J Malucelli

Facebook

Biotrigo
Sicredi

Enquete

Qual sua atividade?

Pecuária
Avicultura
Ovinocultura
Agrícola
Outra

43,12% : Pecuária
14,37% : Avicultura
4,95% : Ovinocultura
26,09% : Agrícola
11,47% : Outra

Cresol
Safeeds
Bonetti Agronutri