Versão Online

    

A avicultura de corte, por mais de 40 anos, vem utilizando antibióticos como promotores de crescimento na ração das aves. Porém a busca do consumidor por produtos livres destes resíduos químicos tem feito a cadeia avícola utilizar produtos alternativos como: compostos fitogênicos, prebióticos e probióticos em substituição aos antibióticos (PENZ, 1993).    

O mecanismo de ação dos promotores de crescimento não está bem definido, mas há um consenso de que o efeito dos antibióticos e quimioterápicos está diretamente ligado a microbiota intestinal dos animais (FORBES e PARK, 1959).    

No caso dos antibióticos, ocorre a inibição do metabolismo bacteriano para que não haja competição direta pelos nutrientes entre a bactéria e o hospedeiro. Ocorre também a redução dos metabólitos tóxicos produzidos pelas bactérias que podem impedir a digestão e absorção de nutrientes (LANCINI, 1994).    

Os promotores de crescimento são utilizados principalmente nas fases iniciais, para melhorar a produtividade das aves, respeitando apenas a carência para o abate (VASSALO et al., 1997).    

Buscando atender as exigências do mercado consumidor, a avicultura tem optado por produtos alternativos para substituir os antibióticos, sem que ocorram perdas no desempenho e na produtividade nas aves (CORNELI, 2004).    

Um dos produtos alternativos utilizado em substituição aos antibióticos são os compostos fitogênicos. Estes compostos são derivados de plantas e são classificados de acordo com sua origem ou processamento, por exemplo, ervas, especiarias, óleos essenciais e oleorresinas (WINDISCH et al., 2007).   

Nascimento et al. (2014), citam inúmeros estudos onde os pesquisadores avaliaram o efeito antimicrobiano dos compostos fitogênicos, como: Loguercio (2005) analisando o efeito das folhas de jambolão, ricas em taninos e saponinas, verificou que o extrato apresentou resultados superiores de inibição bacteriana em comparação aos antimicrobianos convencionais.    

Já no estudo de Wiest et al. (2009) verificou-se intensa inibição bacteriana por 86 plantas de uso medicinal ou condimentar como alho-poró, alho-nirá, macela, pimenta-malagueta, ervamate, orégano, sálvia e o chinchilho.    

Mountzouris et al. (2011) verificaram aumento das populações benéficas e redução na colonização intestinal por coliformes fecais nas aves que consumiram óleos essenciais de orégano, anis e citros na ração. Agostini et al. (2012) pesquisaram em estudo semelhante, porém com óleo essencial de cravo.    

Silvàn et al. (2012) avaliando extrato de semente de uva observaram atividade antibacteriana, demonstrando forte capacidade inibitória para o agente testado.    

Com isso, os promotores de crescimento alternativos ganharam destaque, porém continuam sendo estudados no anseio de descobrir o melhor aditivo e/ou associações de aditivos que possam ser empregados com sucesso na indústria avícola (NASCIMENTO et al. (2014).

Artigo publicado na edição de junho/16

Evelyn Tazima Stivaletti 

 Zootecnista e Mestre em Ciência Animal (Produção Animal)


Este conteúdo é de uso exclusivo, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem a prévia autorização do mesmo.




Deixe seu comentário

Facebook

Oro Agri