Jacto

A silagem de milho se apresenta como uma das melhores opções de volumoso utilizados na alimentação de ruminantes

A silagem de milho se apresenta como uma das melhores opções de volumoso utilizados na alimentação de ruminantes, por apresentar uma adequada produção de matéria seca por hectare, concentração de nutrientes adequadas para um bom processo fermentativo, boa aceitação principalmente por vacas leiteiras e, além de ser uma excelente fonte energética para os animais.

No entanto, a silagem de milho pode apresentar variações consideráveis na sua composição em função da época do ano (safra ou safrinha), clima (falta de chuvas regulares), fertilidade do solo, e até mesmo em função do ataque de pragas.  Dependendo do grau de variação em sua composição, o ajuste da dieta pode não ser algo tão simples de ser feito, sendo necessário uma maior adição de outros ingredientes para minimizar os impactos na produção animal.

O processo de ensilagem apesar de parecer simples, é extremamente importante para que a qualidade da massa que foi trazida da lavoura permaneça dentro do silo. As principais recomendações para uma silagem de qualidade  incluem: 1) colheita com um teor de umidade adequado; 2) bom processamento da planta (tamanho de partícula e processamento dos grãos); 3) compactação adequada da massa; 4) enchimento rápido do silo (mesmo após ser colhida, a planta continua respirando e consumindo carboidratos) e 5) adequada vedação para evitar perdas e garantir um processo fermentativo eficiente. Quando essas recomendações são devidamente seguidas pelos produtores, a massa ensilada será fermentada, e estabilizará, de forma a manter seus nutrientes conservados.

As recomendações citadas acima são a base para obtermos silagens de boa qualidade. No entanto, é inegável que o clima e atividade agropecuária “andam de mãos dadas”. Ou seja, o efeito das mudanças climáticas e surgimento de pragas nas lavouras tem um impacto muito significativo no material que será colhido, conservado e destinado a alimentação dos animais de produção. 

A falta de chuva, por exemplo, compromete o desenvolvimento da planta e a formação dos grãos de milho. Podemos dizer então, que existem os “dois lados da moeda”, quando não conseguimos colher a silagem no seu ponto ideal (MS - Matéria Seca 33 – 35%), e que ambas as situações levam a alteração nos níveis nutricionais e na digestibilidade da MS.

No caso da colheita antecipada, impedimos que a planta acumule todo o amido. Nesses casos, além de apresentar MS abaixo do ideal, esses dois fatores em conjunto (MS e amido baixo) irão comprometer o processo fermentativo pelo desenvolvimento de bactérias indesejáveis devido à maior presença de água na massa ensilada, possibilitando que ocorra maior lixiviação de nutrientes e aumentando ainda mais as perdas em qualidade nutritiva. 

O amido presente nos grãos de milho é um carboidrato não-fibroso que além de ser um bom substrato para a fermentação, possui uma alta taxa de degradação no rúmen e define a concentração energética do alimento. Ou seja, silagens colhidas mais úmidas apresentarão menor proporção de nutrientes digestíveis totais (NDT). Nesses casos, o nutricionista precisará corrigir a dieta adicionando ingredientes energéticos, como por exemplo, milho moído, polpa cítrica ou qualquer outro ingrediente disponível na região que seja capaz de suprir a necessidade nutricional da categoria animal em questão. 

Além disso, outro fator que devemos considerar quando antecipamos a colheita do milho é a redução na produção total de matéria seca por hectare, sendo necessário pensar em outra fonte de volumoso para suprir a demanda de alimento ao longo do ano, como por exemplo, silagem de gramíneas, feno e/ou pré-secado.

Já a colheita tardia do milho (acima de 35% de MS), tende a apresentar maior produção por hectare, maior porcentagem de amido, porém irá exigir equipamentos com maior potência e muito bem ajustados para manter o tamanho de partícula adequada e garantir a quebra eficiente dos grãos, evitando dessa forma a passagem direta pelo trato digestivo dos ruminantes, o que reduz o seu aproveitamento. Além disso, por se tratar de um material mais seco, existe certa dificuldade durante o processo de compactação da massa e expulsão do ar, o que também poderá comprometer a qualidade da fermentação e consequentemente a qualidade bromatológica do volumoso. 

Silagens mais secas tendem a reduzir o consumo total de matéria seca pelos animais, nesse caso, além de ajustar muito bem os níveis de nutrientes da dieta, o nutricionista deverá prestar atenção no teor de matéria seca da dieta total e, se necessário, adicionar água no vagão misturador. Dessa forma, a dieta se torna mais atrativa ao consumo e evita seleção a nível de cocho.

Além dos pontos levantados no decorrer desse texto, o produtor deve tomar muito cuidado com a regulagem das máquinas para garantir um adequado tamanho de partícula da silagem em qualquer situação. A silagem de milho quando muito processada (partículas muito pequenas), não fornecem o nível de fibra efetiva adequado, e podem levar a quadros de acidose, reduzindo significativamente a produção animal. Caso isso ocorra, se faz necessário o uso de fontes de fibra mais efetivas para manutenção da saúde ruminal.  Por outro lado, tamanho de partículas maiores, que ocorre normalmente em silagens mais secas, pode haver maior seleção a nível de cocho por parte dos animais, o que também compromete a saúde ruminal, ingestão de alimento e causar desbalanço da dieta.

Vale lembrar que os ruminantes têm seu requerimento nutricional estabelecido em demandas metabólicas para mantença, ganho de peso, gestação e produção (dependendo da categoria e da fase da vida do animal). Portanto, é necessário fornecermos a esses animais nutrientes que sejam capazes de suprir tais demandas e os ajustes devem ser feitos de acordo com a qualidade física e química de cada ingrediente, sendo que um deverá complementar o outro.  Além disso, o produtor precisa ter em mente que a ensilagem é o processo de conservação do milho, ou seja, a qualidade da massa ensilada tende a piorar se o processo básico de colheita, compactação e vedação não for bem feito. 

Eliana Vera Geremia - Assistente técnico comercial Cargill Nutrição Animal

Fonte: Cargill Nutrição Animal


Este conteúdo é de uso exclusivo, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem a prévia autorização do mesmo.




Deixe seu comentário

Facebook

Enquete

Qual sua atividade?

Pecuária
Avicultura
Ovinocultura
Agrícola
Outra

42,60% : Pecuária
13,67% : Avicultura
4,78% : Ovinocultura
27,56% : Agrícola
11,39% : Outra

Safeeds