Jacto

A Embrapa Florestas (PR) acaba de lançar o Sistema Erva 20, um conjunto de práticas em ervais plantados que visam ao aumento da eficiência e sustentabilidade do cultivo de erva-mate. Sua adoção é capaz de incrementar a produtividade e aumentar a qualidade dos plantios por meio da melhoria em práticas do dia a dia de produção, como plantio, poda, adubação, controle de plantas daninhas, renovação do erval entre outras. Neste primeiro momento, o Sistema está disponível em formato de manual e pode ser acessado gratuitamente em no site da Embrapa.

Melhoria também da qualidade
O empresário e produtor rural Marcio Pizzatto, de General Carneiro (PR), interessado em plantar erva-mate em uma área onde antes havia cultivo de pinus, adotou as tecnologias do Erva 20 já na implantação do erval e sua área serviu também para validação de algumas tecnologias que compõem o sistema.

“Resolvemos adotar o Erva 20 desde o início por causa da facilidade em aplicar as recomendações e com todo o estudo da Embrapa embasando as práticas. Já é possível notar os benefícios visualmente: são ervais homogêneos, com desenvolvimento muito acima da média de um plantio normal. O resultado é muito significativo já nos estágios iniciais do cultivo”, atesta Pizzatto.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Ibge) mostram que a produtividade média de um erval comercial, em 2015, foi de oito toneladas por hectare por colheita. Com a adoção de práticas eficientes de manejo e ajustes na condução do erval indicados pelo Erva 20, a produtividade pode chegar a 20 t/ha por colheita, dependendo do potencial produtivo do erval, e até mesmo ultrapassar essa quantia em situações excepcionais.

O sistema não trata só de produtividade, mas também da qualidade da erva-mate, que tem potencial de crescimento como matéria-prima em novos produtos e também para inserção no mercado internacional.

“O cultivo da erva-mate no Brasil conta com relativa baixa adoção de tecnologia quando comparado a outras culturas”, afirma Joel Penteado Júnior, analista da Embrapa Florestas e um dos responsáveis pelo desenvolvimento do Erva 20. “Nosso trabalho foi o de reunir resultados de pesquisas, atestar a validação de alguns, validar efetivamente outros e consolidar a informação para o produtor rural”, conta.

Pode ser adotado em qualquer fase
“Vale ressaltar que não é necessário começar um erval do zero para implantar o Erva 20”, frisa Ives Goulart, analista da Embrapa Florestas responsável pelo projeto “Disponibilização e inserção de tecnologias do Sistema Erva 20”. “O produtor pode aplicar as recomendações em qualquer fase do erval.” Pizzatto atesta a efetividade do sistema: “São técnicas e metodologias para utilizar desde o início até o fim. Se você seguir todas as indicações técnicas, com certeza vai ter sucesso”.

Boas práticas que fazem a diferença
Com fotos e esquemas ilustrativos, o manual traz informações a respeito de todas as fases de um sistema produtivo de erva-mate:

produção de mudas por sementes e por propagação vegetativa;

qualidade das mudas;

cultivares comerciais;

implantação;

adubação do erval;

controle de plantas daninhas;

cobertura do solo;

sistemas de podas;

renovação do erval via decepa e rebaixamento;

sistemas de cultivo de erva-mate plantada;

doenças;

pragas;

cronograma das práticas de manejo.

Ives Goulart explica que a produtividade é o resultado do sistema de produção como um todo, em que cada prática de manejo tem sua importância relativa, de forma que, se qualquer uma for negligenciada, o potencial produtivo não é alcançado. “Assim, a adoção de tecnologias de forma isolada não é suficiente para o alcance de maiores produtividades”, ressalta o analista. Por isso, as práticas mais eficientes foram sistematizadas no Erva 20, disponíveis em forma de manual, que será utilizado em capacitações de agentes da extensão rural e também estará disponível aos produtores rurais.

“A intenção é ampliar o alcance das informações”, revela Goulart ao contar que a organização do sistema começou há cinco anos, a partir da constatação que os problemas da cadeia produtiva da erva-mate eram os mesmos relatados em eventos ocorridos 20 anos atrás. “Ou seja, muitas respostas até existiam, mas não estavam disponíveis aos produtores. Outras, precisavam ser atualizadas e testadas no campo”, lembra o analista. O resultado é um conjunto de informações fruto de trabalhos da Embrapa Florestas com parceiros dos setores público e privado durante os últimos 35 anos.

Antes mesmo de ser lançado oficialmente, o Erva 20 já chama atenção de produtores rurais, como a Associação Biturunense da Erva-mate (Abem). A entidade já está em contato com a Embrapa Florestas para implantação do sistema de produção com seus associados. “O que despertou nosso interesse pelo Erva 20 foi a possibilidade de aumento de produtividade sem impacto ambiental e também a questão da qualidade do erval. Esse foi o início para nosso interesse”, conta Naldo Vaz, presidente da Abem. “A erva-mate é altamente lucrativa, desde que haja uma boa gestão da propriedade e um ótimo manejo do erval, e esse é um aspecto que nós da sssociação prezamos”, pondera.

Com a procura crescente por tecnologias, o caminho será a capacitação de multiplicadores e a disponibilização de ferramentas em apoio ao produtor rural. “Em breve, disponibilizaremos aplicativos para auxiliar os produtores no gerenciamento e manejo dos plantios de erva-mate”, revela Goulart.

Importância da erva-mate
Dados de 2016 do Ibge, da Produção Agrícola Municipal (PAM), mostram que a erva-mate é o principal produto não madeireiro da produção florestal no Sul do País. Ela é cultivada por milhares de pequenos produtores, sendo a ampla maioria (cerca de 80%) em propriedades de até 20 hectares. Ou seja, é um cultivo majoritariamente da agricultura familiar.

A erva-mate já foi a grande responsável pelo ciclo econômico chamado de “Ouro Verde”. No entanto, nas últimas décadas, passou por um período de estagnação, com consequente queda nos investimentos e desestímulo ao desenvolvimento de inovações tecnológicas. “Agora, o mercado de novos produtos, principalmente internacional, está descobrindo os benefícios da erva-mate e isso certamente vai impactar no desempenho econômico e também na criação de novos produtos”, analisa Joel Penteado Júnior.

“Mas hoje temos um paradoxo entre o potencial de expansão do setor e a forma como é produzida e beneficiada a matéria-prima”, completa. A razão é que o nível técnico dos plantios e do beneficiamento varia entre uma minoria de produtores e indústrias com ótimo nível técnico e muitos outros em condições rudimentares.

“É um grande desafio ao setor, que precisa dar uma resposta eficaz a esse cenário promissor de surgimento de novos players no mercado ervateiro, no sentido de se adaptar e suprir o atraso de décadas na adoção de tecnologias”, orienta. “O Erva 20 surge nesse contexto, de auxiliar o produtor a se tornar mais eficiente e mercadologicamente mais competitivo”, finaliza Penteado.


Fonte: Embrapa Florestas 

Foto: Rodolfo Buhrer / Embrapa




Deixe seu comentário

Safeeds
INOBRAM

Facebook

Biotrigo
Real H
Agrishow 2019
Oro Agri
Matsuda
Cresol
Bonetti Agronutri