Jacto

 

É crescente o número de consumidores de carne e leite que se deparam com dúvidas em relação a segurança desses alimentos. De fato, muitas pessoas associam a precocidade de terminação dos animais com o uso de substâncias como hormônios ou antibióticos para favorecer o aumento na produtividade. 

Apesar de não serem muito bem aceitos pela sociedade, os hormônios são compostos naturais produzidos por todos os seres vivos. No entanto, a falta de conhecimento faz com que os consumidores se assustem quando dizemos que diferentes setores da agropecuária fazem uso dessas biomoléculas. 

Na pecuária de corte, o uso de hormônios pode ser feito em diferentes fases. Na fase de cria, a aplicação de hormônios para a realização da inseminação artificial tem como objetivo promover a sincronização da ovulação das matrizes, melhorar as taxas de fertilidade, qualidade e quantidade final de bezerros obtidos. No entanto, para a execução deste manejo, existem no Brasil diferentes regras com o objetivo de garantir segurança aos animais e consumidores finais dos derivados. 

Nas fases de recria e engorda, os hormônios promotores de crescimento (“anabolizantes bovinos”) são utilizados para favorecer o ganho de peso dos animais. Vale lembrar que na pecuária brasileira a aplicação dessas substâncias no rebanho está proibida desde a década de 1980. Apesar disso, alguns países possuem uma legislação que permite sua utilização, o que torna difícil a discussão sobre a permissão ou não desses compostos no sistema produtivo. 

Apesar da proibição da aplicação dos hormônios promotores de crescimento, a legislação brasileira permite a inclusão de algumas classes de aditivos zootécnicos como os antibióticos e ionóforos na nutrição animal. Na prática, a presença desses compostos na dieta irá favorecer o metabolismo, a fermentação ruminal, e a melhora da saúde intestinal dos animais. Como resultado, os animais terão melhor aproveitamento do conteúdo alimentar consumido, aumento dos níveis energéticos da dieta, melhoria dos índices de ganho de peso e aumento de produtividade. 

Embora alguns países já tenham proibido a utilização de antibióticos e ionóforos, a inclusão desses compostos é acompanhado por profissionais da área e aplicado em dosagens baixas, o que não afeta a segurança dos produtos derivados da pecuária. No entanto, seu uso inadequado pode levar a efeitos nocivos quando liberados para o meio ambiente, o que coloca em dúvida a segurança ambiental. 

Existe atualmente no mercado uma nova geração de aditivos de origem natural, considerada como mais segura e economicamente viável. Em geral, esses aditivos são classificados como equilibradores de flora, como, por exemplo, os probióticos, prébióticos, ácidos graxos essenciais (ômega 3 e ômega 6), óleos essenciais, entre outros. 

Essas novas tecnologias possuem diferentes mecanismos biológicos, como estimular processos metabólicos, modular a fermentação ruminal e melhorar a resposta imunológica e saúde intestinal dos animais. Além disso, para o meio ambiente, a utilização desses compostos minimiza as chances de surgimento de resistências microbianas e favorecem a redução da emissão de gases de efeito estufa provenientes da fermentação entérica dos animais. 

Dessa forma, é possível afirmar que os resultados do aumento da produtividade e da precocidade de terminação dos animais é fruto da aplicação de tecnologias que impulsionaram o setor nos últimos anos. Tal condição pode ser vista através de uma nutrição de precisão, melhoramento genético dos animais, modernas práticas de manejo associadas ao bem-estar animal e novos métodos de gestão baseados em métricas na propriedade. Portanto, é possível dizer que o modelo de produção da pecuária nacional tem caminhado, a passos largos, ao encontro da sustentabilidade, o que garante qualidade e segurança nos produtos de origem animal (carne, leite e derivados). 

Luis Eduardo Ferreira é biomédico e doutor em Biotecnologia. É analista de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da Premix.




Deixe seu comentário

Facebook

Safeeds