Jacto

previsão de um inverno com temperaturas amenas e precipitações na média histórica pode favorecer o cultivo do trigo na Região Sul, que concentra 90% da produção do cereal. Mas o cenário também exige planejamento na semeadura para evitar perdas por geadas nos períodos de maior risco da cultura.

O período de semeadura do trigo na Região Sul (sul PR, SC e RS) vai de maio a julho, considerando diferenças regionais de clima, solo e ciclo das cultivares. As datas são definidas pelo Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) com o objetivo de reduzir os riscos de perdas nas lavouras ocasionadas por fatores climáticos. 

No trigo, diferentes causas associadas ao clima podem afetar os rendimentos, como geada no florescimento ou no espigamento, seca após a semeadura e na fase de enchimento de grãos, excesso de chuvas na colheita, além da ocorrência de pragas e doenças. A condição de clima subtropical do Sul do Brasil desafia a produção de cereais de inverno por ser uma região normalmente úmida e sujeita a temperaturas baixas no inverno e começo da primavera, com formação de geadas, e, ao mesmo tempo, podendo ser assolada por temperaturas elevadas e clima seco.

Neste ano, a expectativa é de clima favorável aos cultivos de inverno, com temperaturas amenas e precipitações na média histórica, acima de 100 mm/mês. Neste cenário, o risco pode estar associado às baixas temperaturas, capazes de ocasionar geadas que, dependendo do estágio da lavoura, podem resultar em perdas significativas no trigo.

Perdas por geada

Em geral, a geada acontece quando a temperatura cai para a faixa negativa na escala dos termômetros e pode ser observada principalmente nas baixadas do campo, onde o ar frio se concentra, ou ainda nas encostas voltadas para o sul. Porém, dependendo da intensidade do fenômeno, a geada pode ocorrer por todas as partes, seja nas áreas nativas, cultivadas ou até mesmo nas áreas urbanas. 

Os prejuízos em trigo podem ser comprovados cerca de uma semana após a ocorrência da geada, quando a planta realmente mostra os estragos de queima nas folhas ou danos nas espigas, que soltam facilmente das plantas ou se mostram esbranquiçadas. As perdas maiores acontecem no espigamento e na floração do trigo, quando, além de falhas na granação pode ocorrer a morte total da espiga. Durante a fase inicial do trigo, mesmo sob geada intensa, pode até ocorrer perda de algumas plantas mas, pela compensação dos afilhos, o rendimento da lavoura não fica comprometido. 

Estratégias de escape

A principal estratégia para gestão do risco climático é o planejamento da semeadura, que deve considerar o risco de geada especialmente no espigamento do trigo, que é o período mais crítico. Essa orientação é seguida pela equipe de pesquisadores que desenvolve o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC), indicando os períodos de semeadura do trigo (por decêndios), para cada munícipio produtor do cereal no Brasil. Baseado em séries históricas de clima, modelagem e simulação de riscos, o ZARC permite identificar os períodos de semeadura em que há menor chance de frustração de safra devido a eventos climáticos extremos.

O ZARC é atualizado todos os anos, acompanhando as melhorias do sistema de simulação de riscos, a ampliação da base de dados e o surgimento de novas tecnologias de produção. O aplicativo ZARC – Plantio Certo permite acessar pelo celular a melhor data para plantio em cada município. 

Saiba mais sobre Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) ouvindo a entrevista com o agrometeorologista da Embrapa Trigo Gilberto Cunha.

https://www.embrapa.br/trigo/audios

Ajustando às cultivares

Contudo, a ferramenta ZARC ainda não alcança características de microclimas dentro de um mesmo município. Para ajudar o produtor numa semeadura ainda mais assertiva, o pesquisador da Embrapa Trigo Ricardo Castro sugere definir a data de semeadura no trigo com base na média do número de dias de desenvolvimento da cultivar (informação disponibilizada pelo obtentor). O calcula considera, principalmente, o subperíodo até o espigamento, conhecido como subperíodo vegetativo (folhas) que compreende o período desde a emergência até o espigamento das plantas. Veja o exemplo:

- em Passo Fundo, RS, o inicio do mês de setembro está definido no ZARC como de baixo risco para as geadas, embora a ocorrência desse fenômeno não possa ser descartada. Utilizando uma cultivar de ciclo precoce, como a BRS Reponte, estão previstos, em média, 133 dias desde a emergência das plantas até a colheita. Da semeadura até o espigamento são cerca de 79 dias. Para definir a data mais precisa de semeadura, o cálculo deve considerar 79 dias retroativos à primeira semana de setembro, o que indica a semeadura do trigo BRS Reponte em Passo Fundo, RS, para, aproximadamente, 15 de junho, com o menor risco de perdas por geada. Veja a explicação no vídeo:

 

Ricardo Castro alerta que esse cálculo pode variar em função da temperatura: “Em regiões ou em anos mais quentes o desenvolvimento do trigo certamente vai acelerar, enquanto que nas áreas mais frias esse período será mais longo. Por isso, mesmo fazendo ajustes por cultivar, o produtor deve sempre seguir o zoneamento agrícola, baseados em estudos que consideram tanto a indicação geográfica como o histórico do clima na região”.

Segundo o pesquisador, também é importante destacar que as perdas por geada no trigo são passíveis de cobertura pelo seguro agrícola e, certamente, as lavouras que seguiram as indicações do zoneamento agrícola, com escalonamento da semeadura e utilizando cultivares de diferentes ciclos, terão menos problemas com adversidades climáticas.

Joseani M. Antunes (MTb 9693/RS)
Embrapa Trigo




Deixe seu comentário

INOBRAM
J Malucelli
Safeeds

Facebook

Sicredi
Oro Agri
Biotrigo
Cresol
Bonetti Agronutri