Jacto

O Brasil deverá registrar uma safra de milho com mais de 99,7 milhões de toneladas de grãos em 2019, onde mais da metade do volume deverá ser destinada à alimentação animal. Nos estados do RS e SC, a produção é capaz de abastecer apenas a metade da demanda, concentrada na alimentação de suínos e aves, além de outros usos como a silagem e rações para a produção de leite. Este é um dos temas que serão discutidos na Reunião Técnica Sul-Brasileira de Pesquisa de Milho e Sorgo (Misosul), realizada de 12 a 14 de agosto, em Chapecó, SC.

A Região Sul responde por 45% da produção de milho 1ª safra no Brasil, com produção estimada em quase 12 milhões de toneladas (Conab, jun2019). Com exceção do Paraná, que conta com o reforço do milho safrinha ou segunda safra, os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul produzem menos da metade do milho que consomem. Nesta safra, as lavouras gaúchas produziram 5,7 milhões de toneladas de grãos de milho para abastecer a demanda de 6,5 milhões de toneladas; Santa Catarina, segundo maior consumidor nacional, produziu 2,8 milhões de toneladas para atender a demanda de 7 milhões de toneladas.

De acordo com a Embrapa, análises da Central de Inteligência de Aves e Suínos mostram que a produção de milho tem acompanhado basicamente o crescimento da produção de suínos e aves na Região Sul.



Fonte: Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa/IBGE
Em mil toneladas, variação 2000 a 2018.

O milho para atender o déficit no abastecimento da indústria de suínos e aves tem origem, geralmente, nos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, e percorre até 2 mil km para chegar aos estados do RS e SC. O Governo de SC avalia a possibilidade de trazer milho do Paraguai num projeto chamado “Rota do Milho”, um caminho de cerca de 350 km até o oeste catarinense, maior consumidor do cereal no Estado.

É neste cenário que acontece a Misosul, evento que vai reunir diversos segmentos do complexo agroindustrial do milho e do sorgo. Além do abastecimento de milho na Região Sul, também serão temas da reunião a agricultura conservacionista aplicada a sistemas de produção de milho e sorgo, e potencial e desafios no uso da silagem.

“Vamos discutir a importância econômica do milho pelas diversas formas de sua utilização, que vai desde a alimentação animal até a indústria de alta tecnologia. Um espaço que assume representatividade com a participação do maior número de atores envolvidos e com a diversidade de opiniões”, avalia a pesquisadora Jane Machado, da Embrapa Milho e Sorgo, que faz parte da comissão organizadora do evento.

A promoção da Misosul 2019 é da Epagri/SC, com a realização da Associação dos Engenheiros Agrônomos do Oeste de SC, e apoio da Embrapa, Emater/RS, Ifrs; Seapi-RS; Utfpr; Setrem; Ufrgs; Unoesc; Ddpa; e Uffs.


SERVIÇO

Reunião Técnica Sul-Brasileira de Pesquisa de Milho e Sorgo (Misosul)
12 a 14 de agosto de 2019
Unochapecó, Chapecó, SC




Deixe seu comentário

INOBRAM

Facebook

Real H
Cresol
Matsuda
Bonetti Agronutri