Versão Online

Entre as formas de armazenamento de silagem de milho de planta inteira, destacam-se os Silos do tipo Trincheira e os do tipo Superfície, ambos com a mesma finalidade, porém com cuidados e detalhes importantes a serem seguidos em cada modalidade.    

Os silos Trincheira são subterrâneos superficiais, onde se abre uma “vala” para armazenamento da silagem. Este silo deverá ser feito com leve inclinação para o lado da sua entrada, evitando chances de infiltrações de água pela chuva. A dimensão da base para este silo deverá ser no mínimo 50% maior do que a largura do trator utilizado, permitindo um bom trabalho de compactação. A altura do silo Trincheira poderá variar entre 1,0 a 3,5 metros, sendo recomendável evitar o excesso de altura para que não seja dificultado o processo de desensilagem.    

Outro tipo de silo bastante comum é o do tipo Superfície, onde a forragem é cortada e depositada sobre o solo, tendo dimensões geralmente delimitadas pelo tamanho de lona a ser utilizada para vedação. O solo deve preferencialmente ser coberto por lona para que o material ensilado não tenha contato direto com a terra. Este tipo de silo geralmente possui altura não superior a 1,5 metros, pois quanto mais alto e maior “abaulamento”, menor será o potencial de compactação. Após compactação final do silo superfície, deverá ser feita lateralmente ao mesmo, uma “valeta” de cerca de 20 centímetros em toda sua extensão para que a lona de cobertura seja fixada ao solo (enterrada), evitando a entrada de ar e água da chuva.     

Silos Trincheira possibilitam uma compactação maior do material ensilado, podendo armazenar aproximadamente 600 a 700 Kg de matéria natural por metro cúbico de silo. Já nos casos de silo Superfície, a estimativa de armazenamento fica em cerca de 400 Kg de matéria natural para cada metro cúbico. Em ambos os casos, estes valores são obtidos através de uma compactação eficiente. O excesso de abaulamento dos silos causa diminuição no potencial de compactação pelos tratores, logo, o excesso de altura não é indicado, pois grandes perdas de silagem poderão ocorrer por fermentação ineficiente nas laterais abauladas.    

O processo de compactação da forragem deve ser levado à risca, e seriamente executado em camadas de 10 a 15 centímetros de altura. Após a última carga de forragem cortada, os tratores deverão trabalhar por no mínimo uma hora compactando a parte superficial dos silos (ponto crítico para qualidade final da silagem). Para finalização do processo, a colocação da lona deverá propiciar um ambiente livre de oxigênio, e encima desta é aconselhável que seja colocada uma fina camada de terra, cinturões feitos com cordas, tijolos maciços, enfim, materiais que consigam pressionar a lona deixando a silagem livre de contatos maiores com o oxigênio após abertura do silo.    

Tanto o silo Trincheira quanto o do tipo Superfície precisam de cuidados especiais, sendo que para este último, deverá ser dada atenção especial devido as suas características diferentes de manejo. Com os custos de produção cada vez mais elevados, não temos espaço para erros básicos com alimentação (silagem). A atenção redobrada trará retorno positivo à produção animal.

Artigo publicado na edição de Abril/16 

Rodrigo Görgen Chaves 
Med.Vet. Me. /Tecg. Agroind.
Coasul Cooperativa Agroindustrial

 




Deixe seu comentário

Facebook

Oro Agri